terça-feira, 14 de junho de 2011

Senhoras e senhores, a greve na Educação Estadual continua.

Milhares de profissionais das escolas estaduais decidiram em assembleia no Clube Municipal, na Tijuca, hoje (14) à tarde continuar a greve da categoria. Como o governo não acenou com nenhuma contraproposta às reivindicações, os profissionais de educação estaduais não recuaram e decidiram pela continuação da greve, agora com mais de uma semana de duração, tendo sido iniciada dia 7.

A estimativa da assembleia é que a mobilização aumentou e já atinge 70% dos profissionais. Na sexta-feira, dia 17, a categoria realiza uma passeata da Candelária até a sede da Secretaria Estadual de Planejamento (Seplag), às 10h. A próxima assembleia será segunda-feira, dia 20, às 14h, em local a confirmar – o sindicato espera que o governo faça uma contraproposta até esta data. Eis as principais reivindicações da educação do estado:

Reajuste emergencial de 26% - o piso salarial hoje é R$ 610,00;

2) Incorporação imediata da totalidade da gratificação do Nova Escola (prevista para terminar somente em 2015);

3) Descongelamento do Plano de Carreira dos Funcionários Administrativos da educação estadual, entre outras reivindicações.

No dia 9, a partir de iniciativa do sindicato, ocorreu uma audiência com o secretário estadual de Educação Wilson Risolia. Ele informou, no entanto, que somente no segundo semestre é que o governo poderá falar alguma coisa sobre reajuste salarial. Para o Sepe, o governo vem tratando com descaso todos os pleitos salariais desde o início do primeiro mandato do governador Sérgio Cabral, em 2007. Ou seja, o culpado por uma greve longa será o governador.

Na primeira semana do movimento ocorreram diversas manifestações, incluindo uma grande passeata no Centro do Rio, dia 10, quando cerca de três mil professores, funcionários e alunos caminharam da Candelária à Alerj, onde se encontraram com os bombeiros em greve; já no dia 12 categoria participou da passeata convocada pelos bombeiros, que juntou dezenas de milhares de pessoas na orla de Copacabana.

www.sepe.org.br

2 comentários:

  1. Recomendo aos amigos um artigo sobre a situação da educação no Brasil, sobretudo a omissão dos SEPEs nesse aspecto. Sempre ouvimos campanhas salariais com greves e mais greves. Mas quantos cursos os sindicatos de professores realizam por ano? Será que toda a arrecadação serve para a política? É por aí. A politização da categoria é mais válida que o aperfeiçoamento profissional.

    Segue abaixo um excelente artigo que retrata um pouco dos equívocos da arte de ensinar no Brasil.

    Como sempre a reinvidicação por melhores salários, mas a qualidade do profissional continua péssima.
    A EDUCAÇÃO DE MENTIRA: Como o Brasil está trocando conhecimento por ideologia
    Quem tem medo da democracia.com Dias trágicos estamos vivendo hoje na educação pública brasileira. Notícias que chocam o cidadão leigo se sucedem dia após dia. Já acostumados a ver as crianças aprovadas automaticamente nas escolas e analfabetos funcionais se formando no segundo grau, agora nos deparamos com novos absurdos...

    http://quemtemmedodademocracia.com/colunas/non-abbiate-paura/a-educacao-de-mentira/

    ResponderExcluir
  2. Carlos, pelo pouco que entendo da rede em que trabalho, acredito que a politização é muito importante e o SEPE deve estimular isso entre as escolas. Não acredito que o papel fundamental do sindicato seja a profissionalização dos professores e também nao identifico isso como o grande problema da rede estadual nesse momento. Eu penso que o SEPE é um instrumento de luta e o sindicato somos nós. Se tem um grupo a frente agora, ele nao será o mesmo amanhã e nem foi o mesmo ontem. Se foi ou se será, é porque nós deixamos. A responsabilidade é de todos nós e é por isso que lutamos. Nao concordo também que a qualidade do profissional no ensino continua péssima. Essa nao é a questão. A questão é a condiçao em que trabalhamos. O salário é fundamental, mas nao basta. Deve acontecer uma profunda democratização da gestão da educação, para que a gente possa definir e decidir sobre orçamento, as políticas tanto gerais quanto as mais pontuais, assim como uma mudança radical na organizaçao da própria escola, partindo do elemento básico que é a eleiçao para direção. Isso faria uma grande diferença na nossa concepção de vida.
    Agradeço pelo debate. É por aí que as transformações começam.

    ResponderExcluir